varizes-insatisfação com o tratamento

Insatisfação no tratamento de varizes

VARIZES E A INSATISFAÇÃO NO TRATAMENTO

Varizes-insatisfação é um tópico recorrente no consultório de angiologia. A frustração da expectativa quanto ao tratamento é uma dura realidade.
Em primeiro lugar, temos aqui conjunto de variáveis:

  • O paciente
  • O problema de varizes, “microvarizes”, veias inestéticas, etc
  • A expectativa do paciente
  • O médico
  • O tratamento que pode ser simples ou complexo
  • O resultado imediato ou num prazo determinado

Comparando com outras doenças: 

Pelo fato de a pedra na vesícula, o intestino preso serem órgãos fora da vista, os resultados são sentidos e não visibilizados. Quando tratamos órgãos internos como a tireóide, percebemos um bem estar, mas não podemos “ver”o resultado.
Quando tratamos veias, varizes, “microvarizes”, “vasinhos”, mesmo que haja uma melhora clínica, ou seja, redução ou desaparecimento da dor e dos outros sintomas, se as veias permanecerem visíveis, haverá insatisfação.
Como resultado, pode ser que o paciente desista e não complete o tratamento.

Expectativa do médico & Expectativa do paciente

Por essas razões, tem de ser bem alinhado desde a primeira consulta. Nem sempre as prioridades do médico tornam-se bem claras para o paciente. O especialista preocupa-se com todas as anormalidades encontradas no exame do paciente.
Isso significa que ele soma a avaliação clínica (queixas), física (veias visivelmente doentes), ultrassonográfica (duplex scan ou ecoDoppler) e veinviewer.
Contudo, algumas vezes acontece de o paciente ser operado, ter veias doentes retiradas, as quais não eram por ele percebidas a olho nu. Após a cirurgia, nesses casos, ele pode pensar que a cirurgia não foi adequada.

Tempo do tratamento

Além disso, alguns casos têm resposta rápida, outros demandam um período maior e mais intensivo de tratamento.
Especialmente naqueles casos em que o paciente já realizou muitos tratamentos e com um tempo prolongado de manifestação do problema, teremos um grau de dificuldade maior.

O que seria melhor para cada caso?

Certamente, o tratamento tem de ser “A la carte”, sob medida para cada paciente. Precisa ser cuidadosamente ouvido, examinado e estudado com toda a atenção e com o uso dos métodos diagnósticos disponíveis.
Provavelmente, fazendo a avaliação com Doppler e a documentação fotográfica, antes do início do tratamento e, sobretudo, dando seguimento às etapas previstas, a chance de sucesso será significativa.
Acima de tudo, é preciso zelar pela boa relação paciente-médico, com esclarecimento das dúvidas por parte do médico e acolhimento das recomendações, por parte do paciente.

Sumário

Em conclusão, complicações podem ocorrer, o mundo não é perfeito, mas não acolher o paciente, isso é inadmissível. Com carinho e utilizando o arsenal terapêutico adequado, adversidades podem ser contornadas e minimizadas.
Em caso de resultado adverso, em outras palavras, se você não está se sentindo satisfeito, tente voltar ao seu médico e dar a ele uma chance de adequar, corrigir eventuais falhas ou iniciar novas táticas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.